Solistas da Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás apresentam As Quatro Estações

Peça do compositor italiano Antonio Vivaldi, uma das principais do período Barroco, retrata as estações do ano

A Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás (OSJG), um projeto da Escola do Futuro em Artes Basileu França, ligada à Secretaria de Desenvolvimento e Inovação (SEDI), realizará neste sábado (12), às 18h, o concerto “As Quatro Estações”, que compõe a Temporada Digital Ressignificar. A apresentação será transmitida pelo Facebook: OrquestraSinfonicaJovemdeGoiasoficial.   

“As Quatro Estações” é a peça mais famosa do compositor italiano Antonio Vivaldi, que reúne quatro concertos para violino e Orquestra, compostos em 1723, sendo também uma das peças mais populares da Música, no período Barroco. Este será o terceiro concerto da Temporada e trará os solistas Tiago Biscaro, Gustavo Henrique, João Pedro e Eliézer Miranda, sob regência do maestro titular e diretor artístico da OSJG, Eliel Ferreira.

Segundo o spalla da OSJG, Tiago Biscaro, trata-se de concertos que representam musicalmente as estações do ano: primavera, verão, outono e inverno. “Esses concertos fazem parte de uma série chamada ‘O desafio da Harmonia e da Invenção’. Essa obra com certeza foi um marco histórico, pois ao contrário da maioria dos concertos de Vivaldi, esses vinham acompanhados por um soneto ilustrativo, provavelmente escrito pelo próprio Vivaldi e eram impressos na parte do primeiro violino, cada um sobre o tema da respectiva estação”, afirma.

Nesse caso, portanto, trata-se de música programática (algo praticamente inédito à época), em que o compositor utiliza de elementos extra musicais, a fim de transmitir sentimentos e sensações. “Como Vivaldi foi também um excelente músico violinista, teve a sensibilidade e a capacidade de transmitir a ideia de sons cotidianos para suas composições. Por exemplo, o cantar dos pássaros e o latir do cachorro, na primavera; as tempestades se aproximando como detalhe no soneto do verão; o camponês embriagado, celebrando a boa colheita, como podemos ver no outono; e até mesmo o bater dos dentes, tremendo de tanto frio, como é relatado no soneto do inverno”, comenta Tiago Biscaro.

De forma geral, a música é uma das Artes que mais consegue extrair emoções do ser humano. “Mesmo você não entendendo o contexto ou o que o compositor quer passar (não estou falando apenas de erudito e sim de qualquer outro tipo de música, do MPB, do sertanejo, entres outras, e refiro-me à música sem letra, porque a música com letra deixa claro a mensagem), a gente se emociona. Porque é muito simples para a música tirar esse tipo de sentimento de nós”, avalia o violinista Eliézer Miranda. 

Para Eliézer, entre todas as Artes, a música é a que mais tem facilidade em atingir o ser humano. “No caso da pintura, por exemplo, você precisa entendê-la para conseguir extrair alguma emoção. Normalmente isso ocorre com a maioria das Artes, mas com a música não. Só de você escutar a canção e aquela melodia fazer bem para você, ela já consegue extrair emoções. Então eu acredito que a música, principalmente em um período de crise, como esse, é absolutamente essencial para manter a sanidade das pessoas”, comenta.

Tendo como base a importância da música na vida do ser humano, a OSJG desempenha um importante papel na formação de grandes músicos. “Ela tem em seu âmago uma grande estrutura para fornecer aos seus alunos: um auxílio, que é o Bolsa Artista, que ajuda em tudo e na compra de materiais para os instrumentos, assim como ela também tem um grande papel educacional para a produção de futuros profissionais. A Orquestra sempre foi um grande amparo para os músicos, auxiliando não só economicamente, mas também na construção, como uma base, para vários músicos se destacarem no mercado de trabalho”, pontua o violinista Gustavo Henrique.

João Pedro, também violinista da OSJG, avalia a importância da Orquestra em sua carreira. “Eu recebi o convite do maestro para solar uma das estações de Vivaldi e para mim está sendo uma experiência de muito aprendizado, desde o preparo do repertório, até os ensaios. Está sendo uma experiência muito incrível por ser uma das primeiras vezes que eu solo com uma grande Orquestra”, relata.

Sobre os músicos

Tiago Biscaro

Iniciou seus estudos de violino com o professor Darciano Gonçalves e, posteriormente, foi aluno do professor Salmo Lopes, no CEP em Artes Basileu França e Escola de Arte Veiga Valle. Em 2012, concluiu o curso de Licenciatura em Violino pela Universidade Federal de Goiás (UFG) - EMAC, na classe do professor Alessandro Borgomanero. Participou de diversos cursos de aperfeiçoamento musical e diversos festivais nacionais e internacionais. Em regência, coral e orquestra participou de cursos com os professores Marco Antônio Izzo e Eliseu Ferreira. Desde 2002, exerce atividades em orquestras e grupos de câmara, viajando em turnês pela Espanha, Alemanha, Holanda, França, EUA e Argentina. Já integrou a Orquestra Sinfônica de Goiânia (OSGO), Orquestra de Câmara Goyazes e Orquestra Sinfônica Jovem de São Paulo (OJESP). Nos últimos anos teve orientações com os professores Cláudio Cruz e Marcelo Soares. Atualmente ocupa o cargo de spalla na Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás e também é membro da Orquestra Filarmônica de Goiás (OFG).

Eliézer Miranda

Natural de Itumbiara-GO, iniciou seus estudos musicais aos sete anos de idade. Aos oito, ingressou no CEP em Artes Basileu França, atual Escola do Futuro em Artes Basileu França, onde estudou com o professor Salmo Lopes. Aos nove, ingressou na Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás, com a qual fez concertos por diversos lugares no Brasil e no exterior. Participou de vários festivais de Música, tais como o 34° CIVEBRA (BRA) e o Festival Binacional Villa-Lobos (VEN), este último como convidado. Participou também de Masterclasses com professores renomados, nacional e internacionalmente, como: Luciano Pontes (BRA), Erich Lehninger (ALE), Amia Janicki (SUI), Pablo de Léon (POR), Luigi Sferazza (ITA), Alessandro Borgomanero (ITA), entre outros. Atuou como solista com diversas orquestras, executando obras de importantes compositores, como Bach, Vivaldi, Beethoven e outros. Atualmente, estuda com o professor Thierry de Lucas Neves, enquanto atua como violinista da Orquestra Sinfônica jovem de Goiás e como solista com orquestras e cameratas pelo Brasil.

Gustavo Henrique

Iniciou seus estudos no violino aos 9 anos de idade, com a professora Dilma, em 2009, na Escola Centro Livre de Artes. Nesta, englobou a pequena orquestra que ali tinha até o ano de 2012. Neste mesmo ano, ingressou na escola Veiga Vale (atual Basileu França). Ingressou na Orquestra “C”, logo em 2013 passou para a orquestra “B”, e no ano de 2015 passou a complementar o grupo de músicos da orquestra “A” - Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás. Nesse meio tempo (2012 - 2015), estudou com diversos professores, como Dário, Salmo Lopes, Carmela e Semilhay. Em dezembro de 2016, foi com a Orquestra Sinfônica Jovem para a China, realizando a primeira turnê de uma orquestra brasileira no país. Em agosto de 2017, foi aprovado na Universidade Federal de Goiás (UFG) para o curso de Licenciatura em violino, complementando, assim, a turma do professor Luciano Pontes. Em 2018 e 2019, participou de importantes festivais no Brasil com a Orquestra, como o de Trancoso, o de Campos do Jordão, o de Poços de Caldas e o de Barra mansa. Em fevereiro de 2020 participou do festival Gramado in Concert.

João Pedro 

Natural de Goiânia-GO, iniciou seus estudos na igreja aos oito anos de idade. Aos dez, começou a estudar no Instituto De Educação Em Artes Professor Gustav Ritter, onde estudou com o professor Dário Santos. Aos treze anos se tornou Spalla da Orquestra Jovem Arte Viva, onde atuou por dois anos. Aos quatorze anos se tornou Concertino da Camerata Juvenil de Goiânia, atualmente Orquestra Jovem Joaquim Jayme e passou a estudar sob a tutela do professor Luciano Pontes. Aos dezesseis anos ingressou na Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás. Participou do Festival de Música de Santa Catarina, no qual atuou como solista com a Orquestra Ricardo Feldens. Também participou de Masterclass com o professores renomados do país e no exterior tais como Luciano Pontes, Carmelo de Los Santos, David Graton e Alessandro Borgomanero, Amia Janick entre outros.  Atualmente, estuda com o professor Luciano Pontes enquanto atua como violinista da Orquestra Sinfônica Jovem de Goiás.