Governador exalta importância da Ciência e Inovação para o futuro do agronegócio goiano

Ronaldo Caiado recebeu empresários, pesquisadores e reitores de universidades para apresentação do “Biomas Tropicais”. A iniciativa é do Instituto Fórum do Futuro, que vai promover evento dentro da Tecnoshow, em Rio Verde, e prima por aliar conhecimento científico ao uso racional dos recursos naturais para a produção sustentável de alimentos

O papel do Estado como indutor de políticas públicas, em total compasso com as principais inovações da Ciência e Tecnologia, para garantir a melhoria da qualidade de vida, desenvolvimento e redução das desigualdades regionais. Esse foi o argumento levantado pelo governador Ronaldo Caiado na manhã desta segunda-feira (10/2), ao receber no Palácio das Esmeraldas empresários, pesquisadores e reitores de universidades e para apresentação do “Biomas Tropicais”. O projeto é desenvolvido em parceria com o Instituto Fórum do Futuro, formado por diversas entidades, e prima por aliar conhecimento científico ao uso racional dos recursos naturais disponíveis nos diferentes ecossistemas brasileiros para a produção sustentável de alimentos.

 

Na solenidade, o governador adiantou o município de Rio Verde sediará um evento do Fórum do Futuro durante a próxima edição da Tecnoshow – a Feira de Tecnologia em Agronegócio, e ressaltou o papel da Ciência e Inovação como norteadores do agronegócio goiano. Caiado frisou que o País passou por uma verdadeira transformação no campo, passando a ser autossuficiente na produção – fato que torna impossível pensar o segmento alheio às novas tendências em pesquisa e avanço científico. “O Brasil hoje é o maior produtor de soja do mundo, passando 120 milhões de toneladas só deste grão. Alimenta milhões de pessoas pelo mundo. O que nós estamos dando agora é a base científica, com inovação e pesquisa, para mostrar ao mundo que, além da qualidade, nossa produção é sustentável”, frisou o governador.

 

Caiado ressaltou que o agronegócio brasileiro tem sido alvo de críticas “muito duras”, com alegações relacionadas principalmente ao não cumprimento de regras para preservação do meio ambiente, mas rebateu. “Estamos ganhando na Ciência, na Genética e na pesquisa. Nosso País avança, por exemplo, na criação de boi verde. Nossos animais não recebem anabolizantes nem hormônios, muito menos comem resíduo animal para atingir seu peso de abate. Este é o caminho para podermos desmistificar todos esses que hoje são teleguiados por estruturas que estão sentindo a competitividade do Brasil.”  

 

O governador aproveitou para destacar o poder de aglutinação do presidente do fórum, Alysson Paolinelli. “Alysson foi o homem que transformou o Brasil na sua capacidade produtiva, quando ninguém acreditava que o Cerrado pudesse produzir.” Em retribuição, o ex-ministro da Agricultura enalteceu a postura de estadista de Ronaldo Caiado. “Vossa Excelência foi um dos arautos desta vitória, por sua posição inflexível, seu trabalho honesto, a sua visão como homem público ajudou muito o Brasil. Fico muito feliz em estar sentindo que a sociedade brasileira começou a reconhecer este trabalho, onde nós buscamos falar a verdade. Ela é imprescindível para que, principalmente, a juventude brasileira não se sinta iludida por ideologias que não convém ao Brasil”, pontuou.

 

Uma das entidades envolvidas no projeto é o Sebrae, cujo presidente nacional, Carlos Melles, não poupou elogios ao governador goiano, atribuindo, inclusive, à trajetória de Caiado o motivo da escolha por Goiás. “Ninguém tem uma trajetória de vida tão coerente e aderente ao Agronegócio, como o Caiado. Nada é mais legítimo do que trazer o Instituto Fórum do Futuro para cá e colocá-lo em suas mãos. Esse governador, em minha opinião, é o mais experiente do Brasil. Mais completo”, frisou Melles, se apresentando como efetivo parceiro “para, juntos, trabalhar nesse Fórum do Futuro, conquistar esses biomas e apresentar do Brasil para o mundo, com Sustentabilidade.”

 

Referência em desenvolvimento

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Adriano da Rocha Lima, considerou “motivo de orgulho” ter o Fórum do Futuro chegando até a cidade de Rio Verde, grande polo do agronegócio em Goiás e no País, sendo usada como grande referência nacional do desenvolvimento desta revolução que se pretende fazer em torno do Agronegócio. “Gosto muito desta expressão ‘agricultura sustentável’. Sou um apaixonado pela Ética e um defensor insistente, porque acho que sem a ética, a nossa sociedade não sobrevive. E quando a gente fala de sustentabilidade, falamos de ações de hoje que vão proteger o nosso futuro”, sublinhou o titular, que completou: “Vejo, com muita satisfação, a Ciência sendo utilizada dessa forma. Muitas vezes vemos o conhecimento científico confinado na academia, mas para se tornar útil, a Ciência tem que se conectar com a sociedade.”

 

Para o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), deputado José Mario Schreiner, a iniciativa do “Biomas Tropicais” é digna de elogios, principalmente por dirimir pseudoverdades que ainda cercam o que ele chamou de “Brasil Agro”.  “Este debate vai colocar à tona a verdade e diminuirmos os mitos desse ‘Brasil Agro’ que tanto orgulha todos nós. O nosso sonho e o nosso trabalho são no sentido de que todo o brilho que está sobre o Agro possa recair também sobre os produtores rurais do País.”

 

O representante da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), Gustavo Chianca, frisou que tanto a entidade como o mundo precisam do Brasil, porque é cada vez mais necessário produzir mais alimentos com menos, de forma sustentável. Também é fundamental a tecnologia aqui desenvolvida, de forma sustentável, contribuindo com a agricultura mundial. “Goiás é um Estado produtor e que contribui de forma sustentável usando tecnologias, cada vez maior e melhor, articulado com as universidades e com a Embrapa”, ressaltou.

 

Objetivos

A primeira etapa do projeto “Biomas Tropicais” visa realizar pesquisas no Cerrado e na Caatinga, estudando a perspectiva da água, do solo, do clima e da economia. O intuito é aprofundar o conhecimento científico dos Biomas Tropicais instalados no Brasil, visando identificar os limites sustentáveis de uso dos seus recursos naturais. A partir dessas informações, e através de aproximações sucessivas, pretende-se aferir e localizar as condições favoráveis de clima de negócios situados na cadeia de valor da oferta alimentar, considerando o desenvolvimento e adoção de sistemas produtivos inovadores, sustentáveis e competitivos no âmbito da Bioeconomia, que permitam o aproveitamento do potencial dos recursos naturais dos Biomas Tropicais existentes no Brasil, gerando prosperidade para a sociedade.

 

Também estiveram presentes o gerente executivo e coordenador científico do Instituto Fórum do Futuro, Fernando Barros e Rodrigo Maule, respectivamente; secretários de Estado Antônio Carlos Neto (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), o chefe de gabinete de Gestão da Governadoria, Lívio Luciano; o superintendente do Sebrae Goiás, Derly Fialho; os reitores Edward Madureira Brasil (UFG), Jerônimo Rodrigues (IFG), Nelson de Carvalho (UniAlfa), Carlos Mendes (Unievangélica), Sebastião Pereira (UNIRV) e Alan Costa (representante do IF Goiano); os presidentes Pedro Leonardo Rezende (Emater), Robson Domingos Vieira (Fapeg) e Joaquim Guilherme (Fundepec); chefe da Embrapa Arroz e Feijão, Elcio Guimarães; superintendente do Senar/GO, Dirceu Borges; e o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico Sustentável de Rio Verde, Denimarcio Borges (representando o prefeito Paulo do Vale); além de empresários e demais auxiliares do governo.

 

Fotos: Júnior Guimarães

Secretaria de Comunicação – Governo de Goiás