Potencial para geração de energia solar em Goiás é apresentado na Expo Municípios

Em palestra na Expo Municípios, Adriano da Rocha Lima destacou projetos que visam alavancar setor no Estado

O potencial de Goiás em geração de energia fotovoltaica e os desafios para o desenvolvimento desta matriz energética no Estado foram apresentados pelo titular da Secretaria de Desenvolvimento e Inovação (SEDI), Adriano da Rocha Lima, nesta quinta-feira (8), em sua palestra sobre Energia Solar, no Centro de Cultura e Convenções de Goiânia, na Expo Municípios, evento promovido pela Federação Goiana de Municípios (FGM).

No momento em que Goiás vive uma crise energética, por conta da prestação deficitária da Enel, o secretário Adriano da Rocha Lima, que tem estado junto com o governador Ronaldo Caiado na busca de soluções para a resolução desta questão, aponta que o Governo também está atento e ávido por alavancar a produção de energia solar como uma alternativa sustentável e viável.

“O Estado de Goiás não só está no país com mais radiação solar do mundo, como está numa das regiões mais privilegiadas do Brasil. Então a gente poderia dizer que Goiás está situado nos melhores locais do mundo para se utilizar este tipo de fonte de energia”, ressaltou o titular da SEDI.

Hoje, a energia solar corresponde a 0,3% da matriz energética goiana e a 1,2% da matriz energética brasileira. Segundo Adriano da Rocha Lima, este panorama deve mudar de forma rápida. A projeção da energia solar na matriz energética brasileira para 2040 é de 32%, ultrapassando a energia hídrica.

A energia solar em Goiás ainda representa uma parcela muito pequena de 40 megawatts de geração de energia solar. De acordo com o titular da SEDI, em termos percentuais esta produção é irrelevante, e um dos gargalos é a legislação que ainda não está atualizada a fim de permitir maior investimentos nesta área.

“Nós temos que cada vez mais pensar em incentivar esta geração de energia e focar na energia distribuída, pois é o caminho de atingir cada vez mais um número maior de pessoas com uma energia de fonte limpa e de excelente qualidade, e sem riscos de um apagão como vivemos com a energia hídrica, com a seca”, frisou o titular da SEDI. 

Durante sua palestra, Adriano também ressaltou que o crescimento do setor produtivo e o consequente aumento da arrecadação do Estado não vão caminhar de forma adequada caso não haja oferta adequada de energia de qualidade e em abundância e disponível em qualquer parte do Estado para que as indústrias se estabeleçam.

Além disso, o Secretário afirmou que o governo deve pensar suas ações tendo em mente o reflexo no futuro. “Nossas ações não podem só resolver problemas do presente, mas têm que preservar o futuro, isto é uma questão basicamente de ética: você proteger o futuro por ações no presente”.

Ao falar dos pontos positivos da energia fotovoltaica, como ser uma fonte inesgotável, limpa, sustentável e renovável, Adriano também citou dados sobre a geração de emprego, que segundo ele a cada megawatt instalado são gerados quase 30 empregos diretos.  “A energia solar é necessária para o futuro e para o presente para gerar novos empregos e favorecer o desenvolvimento econômico”.

Comunicação Setorial - SEDI