Goiás apresenta projetos de Parques Tecnológicos para SUDECO

Uma comitiva do Estado de Goiás reuniu-se, nesta quarta-feira (17), com equipe da Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) para apresentar projetos de parques tecnológicos que compõem a Rota de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) em Goiás. A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Inovação de Goiás (SEDI) foi representada pelo gerente de Inovação e Difusão Tecnológica da subsecretaria de Ciência e Tecnologia, Raulison Resende.

O Governo de Goiás, por meio da SEDI, tem se movimentado na busca de apoio para a estruturação dos Parques Tecnológicos em Goiás, que têm como objetivo impulsionar a inovação e o desenvolvimento de soluções tecnológicas para o setor produtivo.

“Quando se fala em Parques Tecnológicos temos um ecossistema pesado. E agora temos a ‘casa’ [sede da gerência de Inovação e Difusão Tecnológica] desses parques para o desenvolvimento do Centro-Oeste e um caminho para essa estrutura que é Brasília [Sudeco], construindo alianças e parcerias. Todos os projetos apresentados hoje estão alinhados com o Plano Regional de Desenvolvimento do Centro-Oeste”, disse o gerente Raulison Resende.

Durante a reunião foram apresentados os projetos do Parque Científico-Tecnológico Samambaia – Goiânia (UFG), Alpha Parque Tecnológico – Cidade Ocidental e Ride DF, AparecidaTec - Parque Tecnológico de Aparecida de Goiânia, Parque Científico-Tecnológico TECNOIF - Rio Verde (IF Goiano) e Parque Tecnológico COMDEFESA / UEG Anápolis.

Para o diretor de Planejamento e Avalição da Sudeco, João Balestra, a busca por projetos estruturantes é fundamental. “Esses projetos geram emprego e renda, além reduzir as desigualdades sociais onde são instalados. E tudo isso está e precisa estar alinhado à vocação econômica local. As startups do agronegócio são um bom exemplo. Com elas não é preciso importar mão de obra e tecnologia de outros estados ou países, além de ajudar a reter a população economicamente ativa no campo. Capacita, valoriza e consolida os recursos humanos locais”, finalizou Balestra.

Os parques científicos tecnológicos são espaços físicos de uso compartilhado, funcionais, abertos e favoráveis à inovação e aderentes ao conceito de Hélice Quadrupla, que prevê, para seu funcionamento ideal, a articulação entre Governo, Universidade, Empresas e a Sociedade.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação Sudeco